O PETEIRO

“Peteiro” é uma palavra polissémica. O Estraviz recolhe diversas definições. “Peteiro” é o pau utilizado para jogar à bilharda, desporto tradicional que tem vivido uma impressionante renascença, utilizando-se também a designação no jogo da chave. “Peteiro” é uma medida para os cereais que designa cem molhos ou feixes, fazendo referência ainda às agrupações de plantas ou ervas nas leiras, caraterizadas por a sua especial altura ou pola sua espessura. E “peteiro” refere a boca ou bico de diversas aves e animais. Por extensão, “estar de bom peteiro” é um galanteio à pessoa bonita ou bem arrumada.

Sem pretensão de acrescentar mais uma aceção, “peteiros” chamamo-nos também, com uma boa dose de humor, as pessoas que decidimos aderir a um projeto político inovador chamado Partido da Terra. No feixe de ervas que forma este peteiro destacam a democratização através da participação e a defesa da democracia direta e da paróquia como sistema e instituição política elementar. O peteiro é o nosso órgão para a reflexão e o debate.

O peteiro aceita propostas de colaboração, com uma extensão máxima de 1000 palavras, que devem encaminhar-se a info@partidodaterra.net. Conteúdos sob licença CC BY-SA 3.0. Lugar de publicação: Rianxo (Galiza).

ISSN 2254-3198

    Número 1, abril de 2012

    Capa, sumário e ficha técnica [+]
    Abrente, por Iolanda Aldrei [+]
    Editorial, por Xico Paradelo [+]

    Análise
    O futuro é rural, por Xoán Doldán García [+]

    Entrevista
    Félix Rodrigo Mora, por José Tubio [+]

    Iniciativas
    Transgénicos e nós, por Mª José Castelo [+]
    Colaboração, reutilização, liberdade, por Adrião Morão [+]

    Ideias
    Montes vizinhais, por Xosé A. Pereira [+]

    Debate: ensino
    De escolas e panóticos, José Luís do Pico Orjais [+]
    Educar para a liberdade, Heitor Rodal Lopes [+]

    Breves [+]

    Opinião
    História e tradição, por Higino Martins [+]
    Desenhados para a pré-história, por Jesus R. Requena [+]
    Ceiva a bilharda que levas dentro, por Xermán Viluba [+]

    Descarregar N.º 1 em PDF