Partido da Terra apresenta o seu programa político

“Soberania e sustentabilidade” é o eixo articulador das propostas que estarão disponíveis para o debate público até 21 de março numa plataforma colaborativa

O Partido da Terra apresentará em sociedade a sua proposta política este sábado 21 de janeiro. O ato, que terá lugar na Biblioteca Pública Ângelo Casal de Santiago de Compostela de 10h00 a 11h30, correrá a cargo do Conselho Executivo e da Comissão Redatora do PT e contará com a participação de representantes de diversas entidades do associativismo ambiental, cultural e linguístico.

No mesmo ato será apresentada a plataforma colaborativa digital PT 2.0. Sustentada em tecnologia “wiki”, a plataforma fará possível com que qualquer usuário de Internet, independentemente da sua relação com o partido, possa realizar diretamente sobre o texto da proposta as modificações ou acréscimos que considere oportunos. A plataforma ficará operativa até 21 de março, sendo que a versão final do programa será ratificada na Assembleia Geral que o Partido da Terra irá celebrar em 25 de março.

Mesmo sendo fruto de quase seis meses de debate interno, iniciado em 25 de setembro com a primeira Assembleia Geral do partido, e discussões celebradas posteriormente com associações e movimentos cívicos, o próprio Secretário Geral do PT Joám Evans reconhece que se trata “de um documento de trabalho que pode e deve ser enriquecido com a crítica e contributos da sociedade”. A participação na definição do programa pretende ser “uma forma mais de construir um movimento aberto e plural que aposte polo exercício e promoção da democracia direta, dentro e fora”.

A democracia direta, enquadrada na defesa da soberania cidadã, é precisamente um dos pontos transversais do programa. Para a sua concretização, o PT propõe o reconhecimento das paróquias rurais e bairros urbanos como espaços fundamentais para a expressão da vontade política, cujo desenvolvimento deve ir paralelo a uma racionalização da administração fusionando municípios até os limites comarcais e suprimindo a divisão provincial do país. Na mesma linha, defende-se o estímulo da localização da produção, gestão e consumo de energia e produtos alimentares básicos, minimizando o transporte e a geração de resíduos em todos os ciclos produtivos, transformativos e de consumo.

A versão do programa que será apresentada no sábado contém oito pontos de “soberania e sustentabilidade” (cidadã, territorial, ambiental, alimentar e energética, económica, social, cultural e linguística). Para além de apelar para uma reestruturação do conceito de política como prática cidadã ativa, com ênfase no poder local, as propostas de cada ponto estão orientadas para a devolução do poder às pessoas, reclamando o seu protagonismo na hora de resolver os graves problemas sociais, económicos e ambientais do nosso tempo.

O texto íntegro do programa pode ser descarregado aqui.
A plataforma colaborativa digital PT 2.0. pode ser acessada aqui.

Escrito por