Partido da Terra parabeniza CIG por alcançar estatuto pleno na Comunidade Sindical de Língua Portuguesa

Apoia também a Iniciativa Legislativa Popular Valentim Paz-Andrade e encoraja membros, simpatizantes e a sociedade em geral a implicar-se na recolhida de assinaturas

O Partido da Terra vem de enviar uma nota à Confederação Intersindical Galega (CIG) congratulando aos responsáveis e afiliados desta organização pola sua ratificação como membro de pleno direito da Comunidade Sindical dos Países de Língua Portuguesa. A perseverância da CIG num processo longo e dificultoso, iniciado em 1999 com a primeira solicitude de adesão e que culminou em julho deste ano em Maputo durante o VI Congresso da Comunidade, é um exemplo para outros âmbitos nos que a participação ativa da Galiza nas estruturas da Lusofonia se torna possível.

Desde o PT destacamos ainda o papel da CIG e outras organizações sindicais na defesa da necessidade de potenciar o português na Galiza. Especialmente significativo é o texto que faz um ano encaminharam diversos sindicatos, nomeadamente CIG, CC.OO., UGT, ANPE, STEG, CSIF, CNT e CUT, à Conselharia de Educação afirmando que “a implantação do português no ensino seria a forma de concretizar a potencialidade do galego, dado que estudando uma língua próxima e útil daríamos visibilidade e competitividade à sociedade galega internacionalmente, aumentando a sua capacidade de comunicação efetiva e significativa com um grande número de países e falantes do mundo”.

Iniciativa Paz-Andrade

Nesta direção aponta também a Iniciativa Legislativa Popular «Valentim Paz-Andrade» para o aproveitamento da língua portuguesa e vínculos com a Lusofonia que está sendo impulsionada por uma ampla Comissão Promotora e que iniciou a recolhida de assinaturas na semana de 25 de julho. O Partido da Terra quer expressar o seu apoio por esta Iniciativa Popular que, em seu artigo primeiro, chama para a incorporação progressiva da aprendizagem da língua portuguesa em todos os níveis de ensino regrado, e anima aos membros, simpatizantes e à sociedade em geral a apoiar o objetivo marcado polos promotores de recolher 15.000 assinaturas nos próximos três meses.

Escrito por