A vida vale mais do que o ouro: não à mina de Corcoesto

Desde o Partido da Terra chamamos à todas as pessoas a apoiarem e a se solidarizarem com os vizinhos afetados por este macabro macro-projeto mineiro.

O Partido da Terra manifesta a sua mais enérgica oposição ao projeto de mega-minaría a céu aberto e lixiviação com cianuro da empresa canadiana Edgewater em Corcoesto. Tais práticas, totalmente proíbidas em outros países, causam danos irreversíveis no meio ambiente e na saúde pública. Além disso, destruem para sempre o património natural e cultural das comunidades afetadas, amais de produzirem aniquilação das economias locais sustentáveis.

Além da nova desfeita projetada em Corcoesto, a «febre do ouro» devasta o Eu-Návia e o Bérzio, e as corporações mineiras arrasam à vontade em toda parte na Galiza: as louseiras devastam no Courel, a andaluzita incêndia as Fragas do Eume, furam os espaços protegidos do Xistral, o património natural e arqueológico de Triacastela, etc. Sempre com total impunidade e a indignante complicidade da administração do Estado e as suas sucursais autonómicas, os servos destas oligarquias apoiados em legislações fascistas elaboradas no regime franquista como suporte legal das suas decisões.

Porque a vida vale mais do que o ouro, em defesa da vida, do meio ambiente, das pessoas, e da sua dignidade, desde o PT compremetemo-nos a trabalhar sempre segundo os princípios de sustentabilidade e soberania, e por isso propomos:

  1. Proibição total e absoluta da macro-minaría a céu aberto.
  2. Proibição total e absoluta da minaría radiativa em quaisquer das suas modalidades.
  3. Proibição total e absoluta do uso do cianuro na minaria.
  4. Obrigatoriedade da «Licença Social» expressada em referéndum, logo da participação cidadã real e efeitiva e dum processo transparente de informação e debate como condições prévias a qualquer autorização.
  5. Obrigatoriedade do respeito estrito ao meio ambiente e às pessoas em qualquer atividade mineira, que nunca poderá ir contra os princípios de sustentabilidade e soberania.
  6. Obrigatoriedade de restauração e restituição do meio ambiente e dos ecossistemas, com avais económicos que garantam a execução dessas restaurações e restituções quando finalizar a atividade.
  7. Derogação da figura de expropriação forçosa ou de qualquer outra figura intervencionista do Estado que usurpe o direito de usufruto da Terra polas comunidades humanas que nela moram.

Coerentemente com isto, militantes do PT desde os mais diversos lugares da Galiza vem de solidarizar-se com os diretamente afetados e somar também as suas alegações contra o projeto de macro-mina de ouro a céu aberto em Corcoesto da empresa canadiana Edgewater, uma infame e indignante proposta com defeitos de forma e fundo na sua tramitação absolutamente inadmissíveis.

O PT também quer parabenizar a todas as pessoas, coletivos e demais formações políticas que se posicionam clara e contundentemente contra esta desfeita, em especial aos vizinhos e à Plataforma pola defensa de Corcoesto, como exemplo de civismo e responsabilidade. Pois somos todos nós, cidadãs e cidadãos da Galiza, quem no exercício do inalienável direito dos povos e das pessoas à vida saudável e produtiva em harmonia com a natureza, e à soberania nas nossas decisões e nos nossos atos, devemos participar direta e ativamente na vida política, sem admitirmos nunca as imposições ditatoriais desde a hipócrisia da legislação e da burocracia da administração e dos poderes públicos ao serviço dos interesses lucrativos duns poucos que depredam e destruem a nossa Terra e as nossas vidas.

A nossa Terra é nossa!

Rejeitemos o paternalismo do Estado e dos poderes estabelecidos e manifestemos os nossos direitos sobre todos os recursos coletivos materiais e imateriais do território e dos mares da Galiza, sobre o seu uso e desfrute, sobre a sua preservação e sobre a sua disposição para o bem público comum; assim como o direito ao aproveitamento sustentável, tradicional e comunal por parte das comunidades nele assentes desde a auto-gestão responsável. Tal como nós herdamos dos nossos ancestros, deixemos também futuro para os nossos filhos.

As práticas que aqui denunciamos não acontecem só em Corcoesto, é um problema de todas e todos nós. Por isso, desde o PT chamamos à todas as pessoas a apoiarem e a se solidarizarem com os vizinhos afetados por este macabro macro-projeto mineiro. E não só, pois também chamamos a toda a cidadania da Galiza a se mobilizar e atuar em todos os lugares para estabelecimento das formas e mecanismos adequados de auto-organização política, económica, social, cultural, territorial e jurídica para reger-nos, assim como defendermos e conservarmos a nossa Terra desde a sustentabilidade e a nossa soberania individual e colectiva, sem nunca ajoelhar-nos diante da especulação e do caciquismo.

Escrito por